Notícias




Notícias Gerais

Considerações sobre as Provas do PISM

Publicada em 20/12/2017

Abaixo as considerações de alguns professores do Colégio Equipe sobre as Provas do PISM.

 

BIOLOGIA

Provas com nível médio de dificuldade com um ponto mais alto para o PISM III. Assuntos bem elaborados e dentro dos programas. No PISM I não foi cobrado tecido animal e vegetal. No PISM III a prioridade foi com a Ecologia com uso de termos técnicos o que cobrou do aluno um estudo mais aprofundado.

 

FÍSICA
A prova de Física do PISM I/2018 apresentou questões de nível mediano para fácil.  As questões foram pautadas em soluções objetivas e de raciocínio lógico conciso, não exigindo do aluno exaustivo desenvolvimento matemático. Surpreendentemente esse ano os conteúdos de gravitação universal, momento de uma força e movimento circular foram deixados de lado.
As cinco questões da prova objetiva e as duas discursivas abordaram temas como movimento uniforme, velocidade relativa, queda livre, lançamento horizontal,teorema do Impulso, trabalho, energia e vetores.

 

HISTÓRIA

A prova conseguiu fazer uma boa relação entre passado e presente, contemplando temas atuais como Trump, Leis Trabalhistas, Questão Racial, Inclusão do Negro, Chico Buarque e Imigrantes.  Também percebeu-se uma preocupação com a valorização do patrimônio histórico brasileiro.  O PISM III foi mais capcioso, forçando ao aluno a ter um conhecimento das atualidades dentro do programa curricular.QUÍMICA
Com relação ao Programa de Ingresso Seletivo Misto oferecido pela UFJF podemos afirmar que a prova de química foi bem elaborada, dentro do programa exigido e publicado no edital do concurso.
Os assuntos foram todos cobrados sendo que seus desdobramentos em tópicos, devido a um número pequeno de questões, ficou inviável conforme foi notado em mais um ano de exame. Se dividirmos os conteúdos programáticos em três grandes áreas de estudo em química na educação básica, segundo o programa publicado: inorgânica, físico-química e orgânica, todos as áreas foram englobadas .
Como análise final, a prova não apresentou grandes dificuldades para os nossos estudantes que tiveram uma enorme base conceitual ao longo do ano letivo, sendo muitas vezes, exigido mais nas aulas e tarefas, do que o próprio nível dessa avaliação

 

PORTUGUÊS

As provas de Português mantiveram o nível das anteriores. Estavam bastante coerentes com o trabalho que fizemos em sala durante o ano. As questões continuam girando em torno de competências textuais. O nível de dificuldade estava bem tranquilo e acredito que nossos alunos consideraram-nas fáceis.

 

MATEMÁTICA

As provas vieram como esperadas. Cada ano se aproximando mais dos moldes do ENEM onde se abordam interpretações, raciocínios matemáticos e percepções, deixando de lado fórmulas complicadas. De modo geral foram bem elaboradas abordando os conteúdos estudados.

 

GEOGRAFIA

Foram abordadas questões clássicas e tradicionais da disciplina como: Sismos, Solo, Geografia Urbana, Geopolítica e Cartografia. Encontraram uma prova que privilegiou temas atuais, com questões bem elaboradas, cobrando uma maior percepção da realidade. Podemos destacar os assuntos: Acordo de Paris, Desigualdade de Gênero e Raça, Refugiados, Desmatamento, Consumismo e Obsolescência, Problemas Urbanos (Cracolândia), IDH e Desigualdades. As provas, em geral, cobraram uma maturidade intelectual e deram aos estudantes a oportunidade de refletirem sobre os principais temas inseridos nas atualidades brasileira e mundial.

 

SOCIOLOGIA - PISM III

Questão 1 - Tema: Desigualdade
Objetivo da questão: dissertar sobre a desigualdade social para além do campo econômico, buscando sua relação com os campos da cultura, história e política por exemplo. Para o campo da cultura, o debate sobre desigualdade poderia ser abordado circunscrito ao tema "gênero", explorando as desigualdades de renda entre homens e mulheres e mostrando como a construção social do status de homem e mulher impactam nessa relação. Simone de Beauvoir e Judith Butler poderiam ser utilizadas na construção dessa argumentação.
No campo da história, esperava-se que os estudantes debatessem a desigualdade de cor no Brasil, apontando para os efeitos deletérios da escravidão e a reprodução de um sistema desigual desde a escravidão. Florestan Fernandes.
O campo da política dialoga com os campos acima, uma vez que trata das relações de poder entre os indivíduos. Assim, entendendo a desigualdade enquanto um fenômeno histórico e cultural (e não natural), as desigualdades devem ser compreendidas através da chave das relações que os indivíduos estabelecem ao longo da história.
Outro sociólogo que poderia ser mobilizados pelos estudantes é Pierre Bourdieu, uma vez que sua teoria dos campos e capitais trabalham com o tema de forma polissêmica, ou seja, para além de uma abordagem puramente econômica e Jessé de Souza, com sua leitura sobre a desigualdade social no Brasil.

Questão 2 - Tema: Movimentos Sociais
Objetivo da questão: Dissertar sobre as variações históricas dos tipo de movimentos sociais e suas respectivas teorias. Compreender que os movimentos sociais mudaram sua forma de se organizar, mobilizar e construir identidades, principalmente após o advento das mídias sociais, como Facebook, Twitter, etc. A questão exige que o estudante compreenda as diversas teorias que lançam luz sobre o fenômeno dos movimentos sociais. Para isso, a socióloga Maria da Glória Gohn se faz referência. Outros intelectuais como Manuel Castells, que trabalham com o tema da sociedade em rede, poderiam ser abordados. Também era possível dialogar com a sociologia de Thomas Marshall, o qual analisa os movimentos sociais e a busca por direitos (civis, políticos e sociais). Para tornar a análise mais próxima da realidade, o aluno poderia abordar as manifestações de Junho de 2013 no Brasil, mas também outros movimentos como a Primavera Árabe, Occupy Wall Street e etc.

 

FILOSOFIA - PISM III

Questão 1 - Tema: Filosofia do conhecimento
Objetivo da questão: Dissertar sobre a importância da dúvida na busca pela verdade, pelo conhecimento científico. O método da dúvida incessante de Descartes é a pedra de toque da resposta. Recomendar a dúvida como um processo do conhecimento é desconfiar das certezas, pois estas podem estar equivocadas, o que nos afastaria do verdadeiro conhecimento. Outros filósofos poderiam ser utilizados, como Sócrates e Platão. Platão com seu método dialógico mostra como a busca pelo conhecimento se equipara a um parto, que na linguagem platônica é a maiêutica, última etapa do diálogo, precedida pela "ironia". Esse tipo de questão vem se mostrando tradição no PISM, pois esteve presente nos dois últimos processos seletivos.

Questão 2 - Tema: Teoria e Prática
Objetivo: Dissertar sobre a relação entre a verdade e a ética, ou melhor, a relação entre saber e virtude, presente na filosofia de Sócrates como também presente nas discussões de filósofos como Rousseau, Locke e Kant. O excerto destacado nos remete a Rawls, filósofo que se propõe a pensar uma teoria da Justiça. Segundo José Ricardo Cunha:
 “É necessário usar o conhecimento clássico como base, ponto de partida, não como uma gaiola dogmática que engesse o crescimento no passado. A partir do conhecimento desses princípios, extrai-se o necessário para construir uma Ética que seja compatível com as necessidades do mundo de hoje, nutrida no passado, mas de forma alguma presa a ele.”
Dessa forma, o conhecimento é imprescindível para pensarmos a ética, pois, para saber a forma correta de agir, é preciso saber o que é o certo ou ainda, o que é justiça. É através do conhecimento que buscamos um ponto comum, um acordo sobre a justiça.

 

LITERATURA

Além dos roteiros de estudos sugeridos pela Ufjf, as provas exigiram mais, pois o aluno não pôde deixar de lado, na elaboração da linguagem poética, uma boa interpretação e um bom domínio de texto literário. Cumpre ressaltar que todos os conteúdos cobrados nas provas foram trabalhados em sala de aula, inclusive a maioria dos textos ali dispostos.